LUCELITA MARIA
PORTUGUÊS
BIOGRAFIA
 
BIOGRAFIA

Lucelita Maria Alves nasceu em 1967, em uma casa simples de palha, na roça, no município de Piranhas-GO. Família grande, é a quinta de 8 filhos nascidos de Francisco José Alves, lavrador que tinha caligrafia artística e gostava de rimas e cordel, e Anália Maria Alves, costureira, sonhadora, que tinha habilidade para trabalhos manuais. Cresceu em terreiros sombreados, em rodas de “contação de causos” na “boca da noite”, sentada em tamboretes de couro. Subiu em árvores, fez estilingue, correu em carrinhos de rolimã, cantou e dançou todas as cirandas da sua infância, em rodas de crianças das casas vizinhas. Colhia no pé: amoras, cerejas, ingás, jatobás, cajás, mangas, goiabas, limas. Brincou de bonecas prontas e fabricadas no seu quintal mesmo, inclusive de espiga de milho, as melhores que há! Fez bois e vaquinhas de mangas verdes, carrinhos de sabugo e bilboquês de lata. Foi moleca. Correu nas ensolaradas tardes de Trindade-GO pelas ladeiras da igreja, onde a gruta de pedras, hoje demolida, era casinha das suas bonecas. Começou a vida escolar em escola pública municipal, em Trindade, de onde saiu para Goiânia. Em Trindade ainda, começou a trabalhar na casa lotérica local. Em Goiânia, trabalhou no Sindicato dos Bancários de Goiás, como Atendente em consultórios odontológicos e no laboratório de análises clínicas. Ingressou na Polícia Militar de Goiás para fazer o curso de Soldado, onde seguiu carreira, se graduando como Cabo, depois, Sargento. Em 1989, com a criação do Estado do Tocantins, ingressa na Polícia Militar Tocantinense, onde fez o Curso de Habilitação de Oficiais da Administração. Paralelo à carreira militar cursa Letras e Psicologia, e ainda, pós-graduação em Gestão Pública. Passa a integrar o quadro de Oficiais do Corpo de Bombeiros Militar do Tocantins, onde trabalhou até abril de 2011, quando completou seu tempo na Corporação, passando à reserva remunerada no Posto de Tenente-Coronel. Escritora, Lucelita ocupa a Cadeira nº 19 da Academia Palmense de Letras, cujo Patrono é o Poeta Casimiro de Abreu. Publicou o romance infanto-juvenil “O Amor de Gato Tigre por Charlote Cachecol” e o livro de poemas – “Carretel de Rosas”. Participou, ainda, como conteudista do manual de Gestão de Riscos e Desastres – Contribuições da Psicologia, publicado pela Universidade Federal de Santa Catarina. Tem o conto “Consulta Médica”, publicado na 1ª Coletânea Palmense de Contos, de Março de 2013 e participou do Projeto Crônicas Urbanas, alusivo ao aniversário de 24 anos de Palmas, com as crônicas “Palmas para o Lobo” e “Facebbok – santo Remédio”. Tem, ainda, crônicas publicadas em jornal de circulação no Estado do Tocantins. Publicou o Poema “A águia e a Flor” na Revista Varal do Brasil – edição de maio/2014. Possui diversos cursos na área cultural, tendo participado da montagem e direção do Espetáculo O Canto da Carpideira, de sua autoria. Participou, também, como atriz no Espetáculo Um Caminho de Mistérios – Teatro de Rua – ambos os espetáculos na Capital-Palmas. Foi premiada com o Melhor Texto Original, no Festival de Esquetes Jiquitaia do SESC, em 2012, com o Esquete “Devoção”. É mãe de Clara e Santiago.