CLÉA PAIXÃO
PORTUGUÊS
BIOGRAFIA
 
BIOGRAFIA

Cléa Paixão https://twitter.com/Cleapaixao pt-br.facebook.com/clea.paixao É jornalista, escritora, roteirista e pastora da Igreja Fonte da Vida. De formação cristã, Cremilda Maria Paixão da Silva desde a infância era chamada de Cleinha pelos irmãos. Acabou adotando Cléa Paixão como nome profissional. Nasceu com ajuda de parteira, na Fazenda Salgado, município de Taquarana, a 110km da capital de Alagoas, Maceió, onde viveu até os 11 anos. Teve uma infância feliz, em contato direto com a natureza. Filha caçula, de 11 irmãos, de Luiz José da Silva e Maria Edite da Silva, cresceu em Taquarana e Arapiraca, agreste alagoano, lendo as obras de Balzac, Sartre, Clarice Lispector, Graciliano Ramos e Machado de Assis. Ainda na adolescência, tornou-se sócia do Círculo do Livro, e recebia os livros solicitados pelos Correios. Na Universidade Federal de Alagoas, onde cursou o bacharelado em Comunicação Social, habilitação em Jornalismo, e o módulo básico do Curso de Formação de Ator, chegou a participar como atriz/estudante da peça teatral Festa nas Alagoas. No período estudantil, foi bastante influenciada pelo movimento anarquista e partidos de esquerda. Em Brasília, desde de 1995, fez o Curso Internacional de Extensão Universitária América Latina, Comunicação e Cultura, 1997 – ECA/USP/UCIP; quando mestranda em Comunicação Social pela Universidade de Brasília – UnB, foi uma das escritoras do livro Narrativas a Céu Aberto: modos de ver e viver Brasília, organizado pela professora titular da Universidade de São Paulo – USP Cremilda Medina, publicado pela Editora UnB, em 1998. Foi professora na Oficina de Redação do Curso de Comunicação da Academia de Polícia Militar do Distrito Federal, e do Curso de Jornalismo Comunitário do Decanato de Extensão da UnB, que resultou na Revista “Participação”, em 1997. Na função de repórter, editora, produtora e apresentadora, atuou na TV Gazeta, de Alagoas, afiliada da Rede Globo, onde foi premiada com a melhor reportagem, em 1994. Em Brasília, atuou em prestigiosas televisões e produtoras de vídeo. Repórter e âncora substituta do telejornal local da TV Record; por várias vezes produtora do Jornal da Record; repórter na TV Brasília; teve ainda atuação em programa veiculado na TV Educativa; na produção do Jornal da Band; além de repórter e produtora nas maiores produtoras de vídeo de Brasília, e de outras em São Paulo. Ainda, passou pela Assessoria de Imprensa do Ministério da Educação; Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome; coordenou a Assessoria de Imprensa da I Mostra de Cinema Latino-Americano Dirigido por Mulheres, realizado pelo Parlamento Latino-Americano em 1997, Brasília; Fez assessoria de imprensa e cerimonial para o “Margarida de Prata”, prêmio de incentivo ao cinema brasileiro, realizado pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CBBB, 1998, 1999 e 2000; e esteve na coordenação da comunicação nacional da Campanha mundial 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres, 2006, 2007 e 2008. Nesse período, trabalhou na produção do filme longa metragem A Esfinge de Floriano Peixoto, dirigido por seu amigo e conterrâneo Jorge Oliveira. Nos últimos anos, tem atuado na produção de roteiros de vídeos institucionais, documentários e políticos, como roteirista e repórter. Desde 2009 exerce o sacerdócio de pastora da Igreja Fonte da Vida, em Brasília (Ministério presente em mais de 14 países), de forma voluntária. Não recebe probenda ou salário por seu trabalho na obra de Deus, onde ministra a Palavra, faz aconselhamento, dá aulas na Escola de Ministérios e participa da obra social e do Coral de Vozes Femininas.