MARIA AUXILIADORA VIEIRA
PORTUGUÊS
BIOGRAFIA
 
BIOGRAFIA

Maria Auxiliadora Mota Gadelha Vieira nasceu em Piquete, SP, em 02/11/1948. Filha de Geraldo Silvia Mota e Maria Augusta Beraldo Leite Mota, poetisa e escritora conhecida como Mariinha Mota. Realizou seus primeiros estudos em Piquete, SP. Em 1966, concluiu o curso cientifico e, no mesmo ano, formou-se na Escola Normal Duque de Caxias, tendo arrebatado o Troféu Rui Barbosa, destinado aos alunos que obtiveram a primeira colocação nos três anos do curso. Recebeu também a Medalha de Psicologia, pela primeira colocação nessa matéria, por todos os três anos do curso.
Em 1968 foi aprovada em terceiro lugar, no vestibular de medicina da Escola Médica do Rio de Janeiro, graduando-se em 13/12/1973. Em dezembro de 1974 concluiu a Residência Médica do Serviço de Cirurgia Infantil do Hospital Estadual Souza Aguiar, Rio de Janeiro. Em dezembro de 1976, concluiu Residência Médica em Ginecologia e Obstetrícia no Hospital Maternidade Praça XV do Instituto Nacional da Previdência Social, no Rio de Janeiro. Ainda no Rio de Janeiro, em 1974, foi professora assistente da Cadeira de Anatomia e Fisiologia do Curso de Terapia da Palavra do Centro Educacional Henry Dumont.
Casou-se em 1976 com Vanius Meton Gadelha Vieira, médico psiquiatra e psicoterapeuta, psicanalista, historiador e escritor. Radicaram-se em Fortaleza, CE, desde 1977. Tiveram tres filhos: Carlos Meton, Fernando Meton e Júlia Beatriz. Os rapazes são médicos, brilhantemente formados pela Universidade Federal do Ceará. Carlos Meton, entre outras atividades, é mestrando em Genética Humana na Universidade Federal do Rio Grande do Sul; Fernando Meton é médico oncologista clínico radicado no Rio de Janeiro, onde conclui mestrado em sua especialidade. Júlia Beatriz é psicóloga organizacional, formada pela Universidade de Fortaleza, concluindo MBA em gestão empresarial.
Em Fortaleza, exerceu sua atividade médica em vários setores do serviço público e em consultório particular. Atuou como médica ginecologista e obstetra no Serviço Social da Indústria – SESI – Departamento Regional do Ceará, onde desenvolveu de 1977 a 1985 o Curso de Assistência Psico-Profilática ao Parto e Planejamento Familiar, nos moldes do Programa Materno Infantil, posteriormente implantado pelo governo federal.
Médica da Secretaria de Saúde do Estado do Ceará, lotada na Maternidade Escola Assis Chateaubriand, pertencente a Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ceará, atuou como obstetra, de 1978 a 1982, tendo chefiado o Ambulatório de Indigentes. Transferida para o Instituto de Prevenção do Cancer do Ceará, ali trabalhou como medica ginecologista até 1988, quando foi convidada a participar do Programa de Prevenção de Doenças Sexualmente Transmissíveis e AIDS. Nessa função, foi coordenadora e instrutora de Cursos Básicos de Doenças Sexualmente Transmissíveis e de Educação em Saúde/Estratégias para Prevenção e Controle das Doenças Sexualmente Transmissíveis/AIDS, destinados aos profissionais médicos e paramédicos da capital e do interior do estado.
Médica do Instituto de Previdência do Município (IPM) de Fortaleza, desde 1978, atendeu como ginecologista e obstetra até 2002, quando foi transferida para a Junta Médica Pericial. Reestruturou o atendimento pericial, redigindo a Normatização de Condutas Periciais e a Cartilha da Junta Médica, destinada ao servidor municipal. Em 2005, convidada a assumir a Coordenação de Saúde da Clínica de Atendimento Básico do Instituto de Previdência do Município (IPM), com uma visão multiprofissional, dedicou um enfoque especial à medicina preventiva e ao cuidado com as doenças ocupacionais. Desenvolveu diversos Programas de Prevenção e Reabilitação da Saúde do Servidor Municipal: Saúde da Mulher, Prevenção e Tratamento das Doenças Hipertensivas e Diabetes Mellitus, Saúde Ocupacional, Prevenção das Patologias Orais e Câncer Bucal, Reabilitação Vestibular, Aprimoramento Vocal, Apoio e Recuperação dos Alcoolistas. Em agosto de 2008 retornou à Direção da Junta Médica Pericial do IPM, onde se encontra atualmente.
Dedicou-se desde menina à literatura, à poesia e ao teatro. A influência e orientação de sua mãe Mariinha Mota, poetisa, trovadora, escritora e crítica de arte, membro da Academia de Letras do Vale do Paraíba em São Paulo, onde ocupa a cadeira nº 27, foi fundamental em sua formação intelectual. Mariinha Mota incentivou sempre seus filhos ao cultivo da arte da escrita. Sob sua orientação Maria Auxiliadora desenvolveu a oratória e a declamação, arrebatando vários prêmios e medalhas em concursos de declamação, tais como: Medalha de Ouro no Concurso de Declamação “Arnolfo Azevedo”, Lorena, SP – 1960, 1961, 1962, 1963, 1964, 1965 e 1966; Primeiro Lugar no Concurso de Declamação “Thais Florinda” em Piquete, SP – 1960 e 1961. Pertenceu ao Grupo ARTE (Artistas Reunidos do Teatro Experimental), em Piquete-SP, atuando como atriz em peças sob a direção de José Palmyro Maziero, na década de 60.
Rascunhou seus primeiros versos, trovas e contos, colaborando com as colunas literárias dos jornais da região do Vale do Paraíba, em São Paulo: “Folha Piquetense”, “O Regente” e “A Cidade”. Sempre escreveu. Sem pretensão, sem ambição. Escrever era inerente ao seu ser. Participou de algumas antologias como: “Anuário Coletânea de Trovas Brasileiras” de Fernando Vianna, 1979 e 1980; “Em Busca do Poema Pérola” de Fernandes Vianna, 1980; “Anuário de Poetas do Brasil” de Aparício Fernandes, 1980 e 1981; “Anuário de Escritores do Brasil” de Aparício Fernandes, 1980 e 1981; “Contos e Poesias” do Grêmio Literário de Autores Novos, sob a coordenação de José Luiz de Oliveira, 1980; “Cidade do Aço”, do Grêmio Literário de Autores Novos, sob a coordenação de José Luiz de Oliveira, 1981.
Possui várias obras inéditas: Poemas Adolescentes – coletânea de Poemas e Sonetos; Poemas de uma Vida – coletânea de Poemas e Sonetos; Eu Trovei... – coletânea de Trovas; Risos e Lágrimas de Mulher – Contos.
Autodidata, criou de forma amadora um site – http://www.mauxhomepage.com - onde disponibiliza os temas que lhe interessam: web design, música, poesia, história, educação infantil. Maria Auxiliadora assim se refere ao seu trabalho: “Nesse site coloquei minha alma, minha identidade, meus sonhos e minhas belezas”.
Dentre as diversas seções apresentadas, “Piquete Cidade Paisagem” destaca o carinho e a saudade de sua terra natal, focalizando seus morros, suas águas, suas tradições, seu folclore, sua gente e até mesmo sua culinária. Por conta desse resgate histórico e de costumes recebeu da Câmara Municipal de Piquete-SP a Medalha de Mérito Municipal, em junho de 2009, por ocasião do 118º aniversário da emancipação política da cidade.
Na sessão “Um Herói Nunca Morre” desenvolve uma minuciosa pesquisa sobre a atuação do Brasil na Segunda Guerra Mundial, em homenagem a seu pai, Geraldo Silvia Mota, ex-pracinha, mineiro sapador do 9º Batalhão de Engenharia da FEB. Com esse mesmo tema é colaboradora, com vários artigos publicados, do site http://segundaguerra.org. Ainda por esse trabalho sobre a Força Expedicionária Brasileira foi destacada no site americano http://forums.wildbillguarnere.com com seus textos traduzidos para o inglês.
Ligou-se a várias instituições culturais: U.B.T de Piquete-SP; Clube de Trovas do Vale do Paraíba, em SP; Academia de Letras de Uruguaiana, Academia Internacional de Heráldica e Genealogia, Centro de Estudos e Difusão Cultural “Romangueira Correia”, e outras.
Associada à REBRA pleiteia atualmente ingresso na SOBRAMES-CE (Sociedade Brasileira de Médicos Escritores – Ceará).