CRISTINA AGOSTINHO
PORTUGUÊS
BIOGRAFIA
 
BIOGRAFIA

Cristina Agostinho nasceu em Ituiutaba, Minas Gerais. Formou-se em Direito e Letras.
Tem nove livros publicados, cinco deles infanto-juvenis, que abordam temas realistas tais como desemprego, divórcio, preconceito, drogas, sexualidade, perdas e seus reflexos na criança e no adolescente. Por essas obras recebeu dois prêmios nacionais, o Selo de Ouro da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil e um deles- Pai sem Terno e Gravata- foi traduzido em Cuba. O sucesso de sua experiência literária infanto-juvenil valeu-lhe um convite para participar de um dos painéis da 5a. Bienal Nestlê de Literatura Brasileira, em 1991.
Com LUZ DEL FUEGO, A Bailarina do Povo- biografia que resgatou das sombras do preconceito e do esquecimento a vedete e nudista fundadora da primeira colônia de nudismo da América Latina, a escritora deu início a um projeto mais amplo voltado para figuras femininas latino-americanas. Através de textos romanceados sobre a vida e a obra de mulheres cujas vozes já pertencem à cultura universal, mas não têm recebido o justo reconhecimento dos leitores brasileiros, ela quer contribuir para que o bloqueio cultural ainda existente entre o Brasil e os países hispano-americanos seja rompido.
Neste projeto insere-se o livro As Duas Fridas, sobre a extraordinária e controvertida pintora mexicana, e estão em fase de conclusão outros quatro textos: Haydée Santamaría (Cuba), Violeta Parra (Chile), Afonsina Storni (Argentina) e Delmira Agustini (Uruguai).
Numa outra vertente, Cristina Agostinho tem realizado trabalhos institucionais voltados para educação e cidadania. Idealizou dois projetos para a Assembléia Legislativa de Minas Gerais: O Jogo da Memória da Constituinte (1989); e a Coleção Cidadão Mirim (1995) que recebeu o Prêmio Opinião Pública 96, do Conselho Regional de Profissionais de Relações Públicas SP/PR e foi selecionado pela Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil -FNLIJ, para o catálogo da Fundação Biblioteca Nacional para a Feira de Livros Infantis de Bolonha de 1996. Concebeu ainda o livro Alfabeto Negro- A Valorização do povo negro no cotidiano da vida escolar, para a Secretaria Municipal de Assuntos da Comunidade Negra, da Prefeitura de Belo Horizonte.
E está no prelo um livro de memórias sobre uma das mais antigas favelas da mesma cidade.
Além destas atividades, Cristina Agostinho escreve resenhas literárias para jornais e revistas.