MARILINA BACCARAT DE ALMEIDA LEÃO
PORTUGUÊS
TEXTOS
 
TEXTO

 A VIDA ESTÁ NO AR...

  Enlouquecidas com nossas tarefas e a falta de tempo livre, esquecemos de cuidar da nossa essência e nos preocupamos apenas com as obrigações.
  Corremos para pegar o ônibus e não contemplamos a paisagem do caminho, mergulhamos no trabalho e esquecemos de reservar um tempo para brincar com os filhos ou namorar o marido.
  Tem muita coisa boa para você aproveitar.
  Há sensações que vêm de dentro e que  precisam ser colocadas para fora.
  Assim, os dias passam e o nosso prazo de validade diminui velozmente.
  Nós deveríamos celebrar a vida diariamente. Portanto, que tal viver com mais calma e cultivar o respeito pelo tempo?
  Temos que compreender que não é possível ter e fazer tudo agora, nesse dia, nesse momento!
 Muitas vezes, ao tomarmos uma xícara de café sentimos um gosto amargo, mas, depois que tomamos o café amargo, verificamos que o açúcar estava no fundo da xícara.Bastava mexer para que o café ficasse adoçado.
  Assim devemos fazer com as nossas vidas, quando sentirmos um "gosto amargo" é preciso refletir, revirar muitas coisas boas que há dentro de nós e deixar de fazer careta porque a vida está amarga.
  Quando achamos que a vida está amarga, não enxergamos o sorriso de uma criança, não ouvimos o cantar dos pássaros, nem sentimos o perfume das flores!
  Esqueça aquele ditado: "de amarga basta a vida". Ter tempo e olhos para curtir e ver o que de fato tem valor, isso sim, é viver bem!
Faça o seu ditado: " a vida é doce", e ela se torna ainda mais deliciosa à medida que enfrentamos e sorrimos.
  Como já disse que " há sensações que vêm de dentro", também há sensações que vêm de fora e que precisam ser interiorizadas.
  Se o caminho que você planejou é muito longo, não se desespere com a distância que ainda falta para chegar, concentre-se no primeiro passo e caminhe firme.
  Você pode hoje mesmo começar algo que vai levá-la muito longe. Inicie algo novo, nem que seja uma mudança.
  Não resista a ela, nem tenha descfulpas novas para dar pelo que você deixou de fazer.
  Tenha atitudes simples, mas honestas
  O início de qualquer coisa nova para sua evolução, começa aí, dentro de você!
  Silenciosamente, enquanto você organiza seus pensamentos, para mais um dia, está no ar uma nova manhã, um novo dia para você cuidar da sua essência.Tem muita coisa boa para você aproveitar.
  Esteja aberta e pronta para novas conquistas, viva cada dia da melhor maneira possível!.


FUI MENINA...

Sinto falta da menina que fui e que me deixei esquecer por ter me tornado gente grande.
Saudades ah!...Como é bom sentir saudades de quando era menina. O mundo encantado de Monteiro Lobato fazia ninho em minha memória e alimentava minha inocência todas as manhãs.
Aquela menina, que fui, sonhava com um mundo encantador, um mundo em que ela poderia voar tomando o pó de piripimpim, ah... Como era bom sonhar!
A menina sonhava com um tempo de possibilidades e teimava em acreditar na doçura que as histórias produziam a cada dia.
Como era bom imaginar voando no zepelim, cair no poço da Alice no país das maravilhas, ter o sapatinho de cristal da Cinderela... entrar na casinha dos sete anões da Branca de Neve... Ah! Como era bom!
Era suave ver a luz entre os galhos das arvores no jardim e acreditar que poderia ter asas para voar...
Penso na menina que um dia eu fui, tendo um encanto na alma, a música como companhia e a alegria constante.
Esse mundo encantado fazia daquela menina que fui sonhar com anjos e fadas.
Mas o que me fazia sonhar mais e sobrevoar com minhas asas imaginárias era ouvir sobre príncipes e princesas. Essa menina, que fui, sonhava em ser princesa, pensava que um dia um príncipe viria busca-la. Ah! Como era bom sonhar!
Todas as noites em suas orações pedia sempre alegria de mãos postas e acreditava que o Papai do Céu a atenderia. Com o seu anjinho da guarda, dividia um pouco das travessuras e prometia que iria melhorar no outro dia.
A menina, que fui, era sábia, vivia a se encantar com as belas histórias e a vida se alegrava na sua voz de criança...
A menina que, um dia, eu fui, entretanto, ficou adormecida, cerrou os olhinhos, abraçada ao tempo, que lhe fora de sonhos e canções... Fechou seu livro de histórias e calou-se na quietude do tempo. Mas ainda brilha em sua essência, esperando que a vida lhe traga doçura e lhe devolva simplesmente o seu bem maior, sua condição de menina.
A menina, que um dia eu fui, sorri para mim e me ensina que a vida é fácil, os obstáculos podemos vencer... É só deixar a alma falar... Como o dom da escrita, como o vento que embala a flor...
A menina, que um dia eu fui, caminha agora comigo, e é, de novo, o meu alento, minha melhor forma de expressão... minha fé de continuar a sonhar com histórias de príncipes e princesas!
A fé dessa menina que um dia eu fui me contagia!
Sigo de mãos dadas com ela e, em mim, sinto sua melodia, a sua alegria, minha melhor forma de expressão...
E é na sua alegria, que continuo a ser aquela menina... agora ela caminha junto a mim e nela repouso as minhas recordações!


SAUDADES DA JUVENTUDE... 


Sinto saudades da minha juventude, o tempo passa muito rápido como se fosse um foguete e não percebemos que temos mais passado que futuro.
Está chegando meu aniversário e eu ainda estou aqui, longe dos abraços e felicitações.
Cada vela que coloco no meu bolo de aniversário todos os anos, fico mais exigente, pois cada vela representa mais um ano que eu ganhei de vida!
Os anos voam e me fazem lembrar quem eu sou e quem eu fui quando jovem. Sinto falta... Muita falta de ter minhas frases completas antes mesmo de eu saber o que ia dizer. Ah! Como a juventude é gostosa! Sinto falta das conversas repetidas, das mesmas histórias, dos medos de sempre. Falta das amigas que nunca mais eu vi. Falta do futuro, pois o passado é bem mais longo que o futuro.
Sinto falta de casa, do cheiro de café, do colo, do riso, sinto muita falta do eco que as alegrias daquela época faziam, alegrias antigas. Sinto falta da porta da rua, por onde eu, ainda jovem, saltava sem medo para o futuro! Sinto falta da jovem que eu sabia ser. Sinto falta da conversa no portão, das brincadeiras no quintal de casa. De não ter medo e desejar fazer de tudo!
Sinto falta das vozes de crianças correndo na rua. Da minha criança que correu e ficou jovem. Sinto falta do cheiro de menina, falta do grande aconchego com os pais.
Falta de saber os percursos da cidade em mim, que eu conhecia como a palma da minha mão, como se a qualquer momento fôssemos voltar naquele tempo e voar por onde outrora andei na juventude. Como se a qualquer momento fosse colocar o meu mundo no lugar. Sinto muita falta da minha juventude! É... Está chegando meu aniversário e eu estou aqui longe de mim, longe da minha juventude!


 
POR QUE CHORAS?

É possível ouvir as palavras que o coração murmura... Por que choras?... Se eu pudesse, faria das suas lágrimas brisas de alegria, doçura e encanto. Pediria ao sol que nunca deixasse de brilhar sobre seus campos, que deveriam ser cobertos de flores pelas manhãs.
A vida é assim,ora alegre, ora triste, carregada de ilusões. Mas não podemos deixar que nossa alma se abata dentro de nós e nos deixe tristes. Ela tem que ser carregada de esperança, livre de barulho insensato.
As tardes temos que colorir com flores, muitas flores. E quando a noite cair, o nosso céu tem que ser coberto de estrelas brilhantes, que reflitam no nosso intimo toda a beleza de uma noite enluarada.
Ter asas para alcançar os sonhos mais doces e enfeitar a estrada, em que caminhamos com estrelas douradas, é não permitir que nossa alma se entristeça. E assim seguiremos aprendendo a reinventar nosso sorriso.
Deixando o coração ser moldado até que, dentro dele, só caiba a delicadeza do amor.
E assim devemos seguir, aprendendo a silenciar, quando preciso for, aprendendo a perdoar. Assim as lágrimas secarão e se tornarão pétalas de rosas enfeitando o nosso caminhar.
Seguiremos sem pranto, sem lágrimas nos olhos, tendo a certeza de que nossa alma não mais vai tremer e se abater dentro de nós.
E só caberá, em nosso peito, um coração lapidado e moldado, sem dor, com esperança na verdadeira delicadeza do amor!

Foi lançado em 2012 o livro "Com o Coração Aberto" e em julho de 2013 será lançado mais 2 livros "Pelos Caminhos do Viver" e" Colorindo a Vida" . Editados pela Editora Scortecci.

  O BORDADO Minha mãe bordava muito quando eu era pequena. Eu me sentava no chão, olhava e perguntava o que ela estava fazendo. Ela respondia que estava bordando. Todos os dias era a mesma pergunta e a mesma resposta... Observava seu trabalho de uma posição abaixo de onde ela se encontrava sentada e repetia:"Mamãe, o que a senhora está fazendo?" Dizia-lhe que, de onde eu olhava, o que ela fazia me parecia muito estrnho e confuso. Era um amontoado de nós e fios de cores diferentes, compridos, curtos,uns grossos e outros finos...Eu não entendia nada! Ela sorria, olhava para baixo e tentilmente me explicava:"filha, saia um pouco para brincar e quando terminar meu trabalho eu chamo por você e a coloco em meu colo. Deixarei que veja o trabalho na minha mão"... Mas eu continuava a me perguntar lá de baixo: Por que ela usava alguns fios de cores escuras e outras claras? Por que me pareciam tão desordenados e embaraçados? Por que estavam tão cheios de nós e pontos? Por que não tinham ainda uma forma definida? Por que demorava tanto para fazer aquilo? Um certo dia, quando eu estava brincando no quintal, ela me chamou: "Filha, venha aqui e sente-se em meu colo." Eu sentei em seu colo e me surpreendi ao ver o bordado! Não podia crer. Lá de baixo parecia tão confuso! E de cima, eu vi uma paisagem maravilhosa! Então minha mãe me disse: -Filha,de baixo para cima parecia confuso e desordenado, porque você não viu que na parte de cima havia um belo desenho...Mas, agora, olhando o bordado na minha mão,você sabe o que eu estava fazendo. Muitas vezes,ao longo da minha vida,tenho olhado para o céu e dito: -Pai, o que estás fazendo? Ele parece responder: -Estou bordando a sua vida,filha. E eu continuo perguntando:-Mas está tudo tão confuso... Pai, tudo está desordenado...Há muitos nós, fatos ruins que não terminam e coisas boas que passam rápido.Os fios são tão escuros... -Por que não são mais brilhantes? O Pai parece dizer: -Minha filha, ocupe-se com seu trabalho, descontraia-se...confie em mim.Eu farei o meu trabalho.Um dia, colocarei você em meu colo, e então vai ver o plano da sua vida da minha mão... Às vezes, não entendemos o que está acontecendo em nossas vidas. As coisas são confusas, não se encaixam e parece que nada dá certo. É que estamos vendo o avesso da vida... Do outro lado, o de lá Deus está bordando... Marilina Baccarat, no livro "Com o Coração Aberto" página 43. Editado em 2000 pela Scortecci.