VALQUIRIA IMPERIANO
PORTUGUÊS
TEXTOS
 
TEXTO

Brasil, verbo e Deus Estavamos em plena copa do mundo vivendo momentos em que a emoção ultrapassa a razão. Um momento cheio de energia onde multidões aglomeradas jogam suas vontades na vitória do seu time que representa seu país. Mas estamos, também, em um momento em que a nossa nação está balançando sobre o arame do descontentamento com o não cumprimento de certas promessas feitas pelos políticos, da necessidade de mostrar o nosso poder, de exigir e de modificar aquilo que está nos incomodando. Certo, é correto querer mostrar o descontentamento, reivindicar e criticar as medidas que não nos apraz. A crítica é necessário para que os dirigentes repensem suas medidas, que melhorem seu programa administrativo. Nós somos 240 milhões de brasileiros. Satisfazer a todas as cabeças é impossível mas satisfazer a maioria e elaborar um trabalho objetivo é possível. Devemos dizer o que pensamos e desejamos dos nossos governantes para que essa reinvindicação coletiva seja ouvida e respeitada e auxiliem o crescimento do país. Existem formas eficazes de se fazer ouvir e demonstrar nossa vontade. A urna. Quadrada ou redonda ela está esperando de boca aberta que coloquemos o nosso apoio ou descontentamento. Tenhamos certeza que esse objeto inanimado saberá liberar nosso grito de revolta ou nosso apoio com muita eficiência. É assim que funciona uma democracia, com a silenciosa força do voto. Contestar e debater, denunciar e acusar também são armas que se pode usar para transformar, mas essas armas, não esqueçamos, não devem ter gatilho, nem lamina, devem ter o verbo mas um verbo bem conjugado. Um verbo usado com dignidade e respeito, em acusações comprovadas, um verbo que demonstre a revolta sem ofensa moral. O respeito é necessário para a paz e o progresso e auxilia o adversário a aderir ao nosso campo de batalha. Algumas pessoas estão confundindo liberdade e democracia com violência verbal e física. Alimentam a imagem espalhadas, no país e no mundo, fundadas em algumas ações encabeçadas por algumas pessoas violentas. É isso o que a mídia procura, informações sensacionalistas que denigrem a imagem do que somos de fato, um povo cuja gentileza, simplicidade e solidariedade não se encontra em nenhum outro lugar do mundo. Somos um povo pacífico e não devemos ter vergonha desse adjetivo. Devemos nos orgulhar em espalhar alegria e em sabermos rir de nossas próprias desventuras. Mesmo que essa pacificidade ainda não seja completa que ainda tenha arestas a serem arredondadas. Não copiemos os exemplos de violência que nos são alimentados pela mídia e por alguns cujo o interesse abrange apenas o seu circulo privado. Não tenhamos vergonha de sermos o que somos, tenhamos vergonha de sermos mal educados e de não sabermos contestar com elegância. Não apoiemos a minoria, sejamos orgulhosos de sermos brasileiros alegres, risonhos, emotivos, caridosos. Esse foi o Brasil que o mundo veio ver. Muito se fala nas mídias da violência do Brasil, do banditismo, do tráfico de drogas e da miséria, tentam mostrar um país onde as pessoas se matam a todo instante. Existe a violência, sim, e não é desculpável mas não estamos em estado de sitio. Não somos 240 milhões de pessoas a nos matar. Somos 240 milhões de pessoas de bem, com alguns poucos que procuram quebrar essa corrente, somos a maioria querendo o bem e não devemos nos deixar influenciar por uma minoria irresponsável, interesseira e mal intencionada. Muitos relutam em vir a nossa terra espantados pelo medo e pelo desprezo. Mas estamos mudando essa imagem e estamos mudando-a com samba, futebol, música, festa e crença em Deus. Somos um povo que oramos todos os instantes dos nossos dias, é verdade. Não? É sim. A cada adeus, até logo, obrigada, boa noite, visita, telefonema etc, usamos a frase “Fica com Deus”, “que Deus te proteja”. Isso é oração, é desejo positivo, é uma transmissão energética poderosa, todos os brasileiros usam essa oração independente da religião, do nível social e idade. Não é uma contradição de pensamento? Desejar a proteção de Deus e provocar a violência? Que deus nos proteja de uma cegueira coletiva e que Deus ensine alguns anarquistas que o caminho da provocação não é o queremos. Nós, o resto do Brasil, só queremos dizer aos governantes e aos governados “Que Deus te mostre o bom caminho”. Aprendemos muito com os jovens. Aprendemoa a ter uma visão moderna sobre a vida; aprendemos a ter coragem para quebrar tabus; aprendemos a ter coragem de nos expor; aprendemos a enfrentar criticas; aprendemos também que a auto-confiança é o fator principal para nos impornos nesse mundo marcado por tantos sentimentos controvertidos e paradoxais. Gosto dos jovens, da sua alegria e da sua fé no mundo e no ser humano. Gosto da luz, de esperança que brilha nos seus olhos e procuro me banhar na sua energia. Nao sou vampiro de juventude, sou apenas reconhecedora que ser jovem é poder, mesmo que esse poder fique apenas na vontade. Gosto de abordar o amor e a vida, focalizando-me no lado psicológico e emocional do comportamento dos seres humanos. O olhar crítico e a minha natureza observadora são os sentidos que utilizo para criar historias de ficção. Os personagens que habitam esses mundos imaginarios são copiados do dia-a-dia, de situações reais. xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx Feliz Natal O ano ainda continua, estamos em setembro... O tempo atravessa o ano como uma flecha invisível e corremos tentando vencer o tempo. A flecha escolhe ( ao ermo? talvez sim, talvez não ) aonde vai se agarrar. Os sonhos e os desejos suspensos, pendurados, como uma bola de árvore de natal, brilhando e procurando chamar a atenção da flecha... podem ser atingidos, ou não, se continuarem a brilhar e colocamos, então, mais bolas brilhantes na esperança que sejam atingidas durante o nosso tempo. Meu tempo está correndo, poucas bolas pendurei na minha árvore este ano e as que foram quebradas viraram pequenas estrelas brilhantes que iluminam meu passado, As que continuam penduradas, são desejos não realizados... Meu tempo passou sem vê-las, não há frustração e em um ataque de nostalgia comecei a pensar nos rostos da minha historia, nas bolas azuis do hospital e no Natal. Decidi dedilhar minha mensagem anual... Os projetos são muitos e a realização fica por conta do acaso. Parece quase incompreensível que não possamos ter nosso destino em mãos. Mas esse é um fato. Nem sempre conseguimos agarrar nosso destino pelos chifres e domá-lo, não são touros. Quando mais jovem eu tinha mais fé no nosso controle do destino, me desdobrava para controlar e colocar os projetos em prática, controlava e exigia das filhas. Um certo medo de vê-las seguir caminhos tristes e difíceis, em suas próprias vidas, me aterrorizava. Meu trabalho de mãe me sugava as energias mas me dava prazer, me estressava e me dava a sensação de controle. Todo o trabalho executado a fim de ganhar essa batalha foi válida, consegui vários troféus, principalmente, o de ver minhas filhas suficientemente equilibradas e mulheres. Agora estão com as mesmas ocupações e preocupações, iguais às minhas, para com suas pequenas. O ciclo da vida... Fui criança, mulher, mãe e agora avó, serei bisavó? Não sei. O tempo está correndo sob meus olhos e não tenho um interruptor para controlá-lo. O mais difícil é controlar as pernas e correr atrás dele para não deixá-lo vencer sobre mim. Estou tranquila e aceitando a ideia de observadora do tempo. Quando vasculho meus álbuns, os rostos que viraram passado passam sob meus olhos e deparo-me, então, com lembranças. Em cada rosto uma história. Histórias pequenas, histórias trágicas, histórias com início tristes e finais felizes, historias com inicio felizes e finais tristes... Vejo rostos, cujo sorriso sereno mostram um futuro promissor ou rostos que se derreteram dentro da terra, antes que transformassem os seus sonhos em realidade, outros, cujos sorrisos apagaram-se nos becos escuros dos vícios e tantas outras misérias que entram no nosso destino sem serem, exatamente, convidados; rostos que fizeram rolar muitas lágrimas dos pais, que ficaram, e que não viram seus desejos concretizados. Quantos sorrisos foram apagados! Quanta seriedade virou sorriso! Alguns desejos foram concretizados, outros viraram frustação e em meio a todos esses destinos indecifráveis, no momento, nós sobrevivemos amontoados dentro de um barco, navegando sobre ondas gigantescas tentando chegar à terra, salvos. Vi de tudo. Vi crianças que não viraram adultos; vi crianças que, homens, afastaram-se da sociedade; vi crianças que viraram homens maravilhosos; vi outros que começaram pelo caminho difícil e, felizmente, encontram a porta da felicidade. Atrás, de todos e de tudo, os pais a manivelar a roda da vida a fim de ver seus filhos se encaminharem e encontrarem suas próprias luzes... A vida ? Nem é triste, nem é alegre, nós é que devemos fortalecer nosso espírito para conseguir manter o nariz fora da água e encontrarmos na salvação - seja do corpo, seja da alma- a felicidade por continuarmos vivos e suportar as perdas, sejam por morte, sejam por situações, outras, inerentes ao nosso desejo. Adivinho, não somos e por isso a luta é desdobrada para termos menos possibilidades de erro. Saber viver é uma arte difícil. O popular ditado brasileiro diz, muito certamente: “Temos que rebolar”... Temos que rebolar... para conseguirmos um bom trabalho...para conseguirmos cultura... para educarmos nossos filhos... para realizarmos nossos sonhos ... para sermos respeitados... para sermos reconhecidos... para sermos amados... para conseguirmos amar... O ano está terminando de novo e a nova geração está galgando a escada do futuro. Nós estamos continuando, chegando ao topo do futuro e depois dele só poderemos flutuar, e observar, e desejar que o futuro dos nossos filhos seja menos molhado de lágrimas; que eles conheçam menos dor; que suas tristezas e suas preocupações não se transformem em desastre e em sofrimento; que nossos amigos e familiares consigam superar todas as dificuldades da vida com serenidade e otimismo; que nossos inimigos aprendam a nos perdoar; que nossas posses não estejam na mira dos invejosos; e desejar, realmente, que os invejosos consigam mais que nós, desviando assim seus pensamentos da nossa pessoa; que nós mesmos consigamos analisar nossos comportamentos e consigamos colocar dentro de nós algumas gotas de perdão e de amor dirigido àqueles que consideramos indignos da nossa atenção. Tentemos seguir o tão sábio e difícil conselho: “ Amai-vos uns aos outros”... ditas por aquele que conhecemos como “O Salvador” e a quem reverenciamos nesse momento, Jesus. Assim, nossos sonhos criarão força, nossa coragem será alicerçada e nós seguiremos nosso rumo mais tranquilos. Feliz 2014 para você. Valquiria Imperiano. ………………………… O futuro As crianças crescem, Viram homens , viram mulheres . Mas nossos bebes permacem na memória em forma de saudade, Até o dia em seremos empurrados pelo futuro até a cova, Nostalgica é a vida ! Vivemos o momento sem pensar em esquecimentos..... xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx A corrida Valquiria Imperiano Não vou estressar. Não vou me apressar. Seguirei devagar a realizar. Se o tempo voa não posso alcançá-lo. Minhas asas sem penas não podem voar. Se tentar correr vou desabar. De nada adianta a vida podar. Não vou estressar. Não vou me apressar. Farei meus pensares virarem poesia. Farei minha alma se eternizar nas letras, nas tintas, em cima das telas. É a única disputa que posso ganhar. xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx Buscando a cor Quando a pobreza chega, Ataca por todos os lados. Não só do capital, Ela se apodera, Também do nosso talento ela se apropria. Nem um traço. Nem uma cor. Nem uma letra. E a criação ? Que tristeza ! Leio e releio Publico na lixeira. Me estresso e Me esforço Expremo o cérebro, Não adianta. Do poeta, Só sai besteira ! xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx 21 O MUNDO VAI SE ACABAR Mais um ano que termina. Esse ANO 2012 todos esperam que termine no dia 21 de dezembro. São 8h10min, quase entramos no dia 22. Parece que a profecia não vai se realizar, faltam 3h50 é muito tempo, o mundo tem tempo para se acabar. Fico de olhos abertos esperando para ser testemunha do acontecimento caso ele se realize. Vou teclando e controlando o relógio , será que estarei escrevendo as ultimas palavras de uma era? Não consigo imaginar como é que esse mundo poderá se acabar de uma hora para outra. Não acredito nessa destruição instantânea, sou testemunha da presente e continua destruição terráquea. Já basta. Passaremos o 21 e veremos o que nos reservam as estrelas. Olho muito para as estrelas tentando encontrar respostas para as minhas indagações. Tento manter um contato telepático com as bichinhas e a única resposta que obtenho é uma piscadela do passado. Respondo imediatamente desejando que encima dessa estrela estejam meu pai ou algum amigo que morreu e cujo espirito se instalou e pendura-se noturnamente numa das pontas de uma estrela nos enviando sinais estrelares, anunciando-nos algo de novo e bom. Sempre penso que ao morrermos nosso espirito nos deixa e parte em direção a uma estrela ou planeta, levando consigo a aprendizagem que obteve nesta terra depravada. Nossa eternidade é o nosso renascimento em outro mundo e quem sabe um melhor mundo. Seremos mais perfeitos de espirito e teremos outros valores. Seremos capazes de compreender o sofrimento do outro, evitaremos que nosso próximo seja a mira da nossa ira, dividiremos o pão com nosso irmão e seremos desprovidos de ódios e maldades. Um segurança partir dessa para melhor!. São 12h01 a terra não acabou, não estamos ainda sentados nas estrelas. Passou o 21 não consegui manter os olhos abertos por muito tempo, dormi forte, dormi bem. Acordei tarde fiz minha toalete. Uma boa parte dos doentes desse hospital, os paraplégicos, os cancerosos, os que conseguem caminhar com a ajuda de aparelhos, os diabéticos amputados, os doentes neurológicos e eu que dos males tenho o menor, porque consigo mexer os braços normalmente e dar alguns passos livremente(com a ajudar do andajar, claro), nos encontramos no refeitório desse departamento de neurologia. Cruzei com os colegas de infortúnio e ainda percebi um leve sorriso no rosto dessas vitimas do azar, apesar de todos parecerem tranquilos e continuarem a procurar a cura para as suas desgraças. Ao chegar aqui deparei-me com muita miséria, a miséria da fragilidade do corpo humano, tão expostos a doenças violentas. Um bom lugar para se criar esperanças o hospital, aqui todos lutam com vontade para afastar o sofrimento e mesmo o mais frágil aceita os tratamentos mais pesados na esperança de acrescentar mais alguns dias ao seu calendários, esquecendo assim, as próprias fraquezas. Aqui podemos comparar-nos e se olharmos com um olho mais analítico e mais altruísta concluímos que nossa miséria é na verdade uma riqueza. Ter dos males o menor é algo que pode ser considerado um presente da vida. Trinta dias dentro de um quarto esperando, esperando o trem passar e poder subir sem auxilio e sem medo. Os preparativos do Natal continuaram a acontecer la fora e o único sinal de festa se apresentou nesse atelier de mecanica humana foi la pelo dia 18 de dezembro quando colocaram uma decoração natalina nos corredores e uma arvore de natal no refeitório. Nós, os doentes, que continuamos aqui a levar agulhadas, a medir a temperatura e a pressão diariamente, não participamos das festividades, nem vimos as luzes da cidade. Meu natal foi anulado mas sairei à noite do 24 para festejar com a mana, minha filha, maridos e filhos. Tudo ao contrario do meu projeto de montar um “sapin”, arvore de natal, em casa com a família toda reunida. Mas assim como é a vida, a vida é. Não fiz meu natal, não vi luzes, não vi bolas coloridas só vi as azuis que estão penduradas no hospital, não comprei meu presentes. Mas já estou pensando numa maneira de festejar quando sair daqui. Porque no meio disso tudo posso dizer que durante um mês tive um Noel excelente, tive meus amigos que não me deixaram de escrever e de me visitar de me trazer flores, chocolates, cartões, biscoitos, frutas, bolos. Para quê mais que isso? eles me deram tudo, eu dei apenas preocupação. Por isso não posso deixar de amar esse povo todo que me cerca e a quem sou agradecida por me fazerem companhia. Um Noel requer mensagens, votos de um novo ano pleno de felicidade e amor, sem deixar de constar nos cartões a velha “muita saúde” como se a saúde fosse estabilizada sob o peso de tantos votos e proporcionaria a vida eterna, matando em seguida a própria morte. Sem ser mórbida, apenas realista, mesmo que desejemos mil “ boa saúde” nossa saúde é frágil e exposta à surpresas. Não adianta fechar os olhos e se imaginar imune, todos seremos abordados pela fragilidade do corpo. Não vou desejar boa saúde no Natal isso não vai te proteger. Mas talvez seja melhor nos prepararmos para continuar nossa existência quando passarmos para o outro lado e finalmente habitar em um planeta especializado em gente de bem. Por isso desejo que a paz que desejas aos outros seja verdadeira em teu espirito; que a bondade que cobras dos outros parta primeiro de você mesma e de mim em primeiro lugar; que o perdão tão difícil de ser concedido saia do seu peito e do meu como a agua que corre num rio; que transforme o ódio em compreensão (tenho que lutar contra esse germe devastador); deixe o amor para o fim quando todos esses sentimentos mesquinhos abandonarem o teu corpo e também o meu espirito. Desejo que consigas fazer uma revisão da tua alma limpe-a e cristalize teu espirito proteja-te das mesquinharias mundanas para seres recompensada com paz e a segurança de poder avançar em direção a tua estrela libertadora. Desejo mais ainda, que possamos nos encontrar e tomar café na ponta de uma estrela para mandarmos luz à essa terra plena de medos e pavores e quem sabe possamos então ajudar mais eficazmente nossa família e amigos. 
Depois de toda essa verborreia, agora posso dizer Feliz natal, e obrigada amigos e família por vocês existirem na minha vida. Sejam fortes para enfrentar tudo o que possa vir pela frente. Bom 2013. Valquiria Imperiano XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX Mulher Maga Magna Milagrosa, Mistura de aMor Mesurado Mulher é Metáfora Meteoro Micante Metamorfose Majestosa Magnânima Mãe Mágica Mistura Maleável Maravilhosa Mão que Manuseia Misterioso Manto Maternal Meramente Mentora Memorável Militante Medula Milenar Mestra Mão do mundo Mirífica Missionária Modelo Mítica Mulher Módulo Monumento huMano Vocabulário Micante : brilhante, luminoso resplandecente Mentora : guia, conselheira Mítica : fantastica, fabulosa Mirífica :Admirável,extraordinária Módulo : suave, melodioso, harmonioso