PAULINE LUISE VN HERBACH
PORTUGUÊS
TEXTOS
 
TEXTO

SE EU FOSSE ANGELINA JOLIE NÃO SERIA EU. Há muito tempo não sentia um desconforto tão grande por estar com uns quilos a mais. Está bem, confesso: enfiei o pé na jaca sim. Desde a Páscoa- já passou São João, vem chegando o Natal - como chocolates sempre que tenho vontade, com moderação. Pouquinho. Nooossaaa, sou ótima. Mas, e os biscoitinhos? Adooorooo biscoitos. Sabe o que é realmente uma idolatria? Biscoito para presidente!!!! Hein? Já é tarde da noite. Desculpem a bobeira, é sono. E não vou comer biscoitos agora não. De jeito nenhum. Caí na real. Preciso de uma dieta detox. Urgência em emagrecer. Por que? ?Sempre fui magra e quero me recuperar. Inclusive pela saúde. Voltar a me reconhecer no espelho. (foto de biscoito escrito Laura) Quem? Verdade mesmo. Sem brincadeira. Só que de uns anos para cá fiz mais alguns aniversários. Como dois e dois são quatro, o metabolismo começa a ralentar e você se torna aquilo que come: sou um enorme biscoito. Gostoso, sim. Mas não aceito esse rótulo de enorrrrme. Até por que estou exagerando um pouco. Para você pensar que sou uma exageraaaaada. Daquelas pessoas-esqueleto que engordam meio quilo e dão um chilique. Como certa vez assisti, em uma aula de ginástica, no Rio de Janeiro. Estavam arrasando com uma magrela muiiiiito magrela, por que tinha tomado um copo de nescau. Acredita? Pois é verdade. Saí dali horrorizada, para nunca mais voltar. . Até por que o professor, daqueles endeusados por mulheres famosas que falam com a boca mole de tãoooooo metidas, disse que o peso que escolhi para "malhar" -2 kg- era "cotonete" e que na aula dele ninguém usava "cotonete" não. Que ele "esculpia" mulheres, que começavam com pesos e caneleiras de 4 kg já na primeira aula. E eu pedi para ser esculpida por aquele Pigmaleão? Só queria fazer uma aula perto de casa. Cuidado é bom, muito bom. Com sabedoria, método, persistencia, constancia. Enfim, algumas das qualidades que muitas vezes me faltam com relação ao assunto dieta, exercícios e poucos vícios. Ainda bem: preciso largar a coca-cola light que não me leva a nada. Gás de refrigerante dilata o estômago e dá mais fome. E aqui para nós: o que diria um antropologo vindo de Marte? "Naquela Terra, humanos costumam beber diversos copos ao dia de um tipo de ácido escuro, indicado por seu poder corrosivo para limpar pias encardidas.... Não conseguimos entender qual a função de tal beberagem: "dá barato?" como diriam humanos de décadas atrás..." Pois está decretado o fim do refrigerante na minha boca ou no meu estômago. Assim como, está temporariamente suspensa a compra de pacotes de biscoito seja lá qual for o tamanho e a desculpa- lanche da filha de 11 anos...-não! Ela não gosta de biscoitos, apenas não os rejeita. Mas não faz a mínima questão. Então quem comeu aqueles... é , fui eu sim. Chega desse assunto. E claro, chocolates nem em fotografia, para não inspirar. Por que é como quem quer largar do cigarro. Nenhum, nem um traguinho, uma baforadinha, ou sei lá como se chama inspirar um fumacê que seja- volta a antiga "fissura". Portanto, abstinência é a melhor medida para quem não tem... a própria medida. E não consegue comer apenas meio bombom, para matar a vontade. (foto de Angelina Jolie esqueletica) Que magreza é essa? Vai levar de dois a três meses. Mas consigo voltar ao peso ideal. Um ideal dentro de um patamar saudável. Admiro uma Angelina Jolie sim. Acho-a très jolie. Alta, bocão original de fábrica, e uma capacidade de , além de não engordar quase nada duranre gravidez até de gêmeos, voltar à forma em mais ou menos uma semana. Andei lendo uma vez que ela faz uma dieta de água com alho. E fiquei pensando no preço que se paga para cada coisa nessa existência. Viver de água com alho, eu só faria em caso de vida ou morte, se essa fosse a indicação de saúde. Em caso de magreza ou gordura, não. Prefiro do meu jeito. Com endocrinologista e nutricionista. Se for para admirar Angelina Jolie, certamente, será por sua capacidade de reinventar-se: foi uma adolescente daquelas que fere o prórprio corpo voluntáriamente, por que acredita ser mais fácil sentir a dor física do que a emocional. Imagine o quadro. E, no entanto, tornou-se uma adulta capaz de criar seis, sete filhos, fazendo de sua família uma linda "Organização das Nações Unidas." Gosto disso. Também do seu espírito questionador. De sua vontade de lutar pelos necessitados. E muito necessitados. Agora, se sua magreza sobrevive à base de água e alho? Estou fora e por fora. Mesmo. A mídia inventa qualquer coisa para vender jornal. E muito se inventa para vender e ganhar dinheiro: estão aí as doentias anfetaminas, as sibutraminas, as calharumas( alguém já emagreceu com isso?)- que até foi proibida no Brasil, sei lá por que. Me disseram que é inóquo. Não faz mal e nem o efeito desejado. (foto de Angelina Jolie bonita e mais gordinha) Bem melhor assim.... E as vezes- quem não tem os seus "as vezes?"- me dá uma vontade sim, de acordar Angelina Jolie. Já pensou? Seria um pesadelo terrível, uma coisa assim. Não seria eu. Eu- teria sido aniquilada. E levei tanto tempo para ser eu, genuinamente falando. Quantos anos de análise jogados no lixo. Quantos livros, estudos, progressos, experiências, emoções, conclusões, crescimento interno, descobertas, sentimentos, tudo jogado fora. Não, não, não. Fico comigo mesma. E eu, tenho 12 quilos a menos, mesmo com idade nova. Está resolvido. Estou em reeducação alimentar e vou me levar à sério. Inclusive nos exercícios. De vez em quando virei fazer relatos por aqui, para que vocês me acompanhem, se quiserem. Se tiverem vontade de fazer a reeducação comigo- cada uma/um a sua- estou aberta a compartilhar progressos. E por favor, por caridade: ninguém me ofereça chocolates. Mas é só no começo. Quando a coisa está firme, nem me importo que alguém coma uma" nhá benta" na minha frente. Por isso também, essa sou eu. E não a Angelina, vai saber, de água e alho. (foto minha ) Prefiro Pauline/ Camille, em foto do ano passado. Fotos de Angelina Jolie e do lindo biscoitinho, encontradas em busca no Google. ( texto publicado no blog Cameliadepedra.blogspot.com em 2012 PARA VOCÊ QUE DARIA TUDO PARA SER MÃE. Existe frase mais sem sentido do que “ser mãe é padecer no paraíso”? Primeiro, ser mãe não é padecer. E depois, não tem nada de paraíso. É a função mais pé na Terra que eu conheço. (foto da familia Jolie Pitt) Angelina e Brad, pequei suas imagens emprestado para mostrar uma família. Para ser mãe de alguém não basta ter o filho. Tem muito filho, cuja mãe é ausente. Está ali ao lado, mas é como se não existisse. Desperdiçando a oportunidade de lamber a sua cria. Cria é uma palavra que gosto muito. Por que mãe mesmo, é aquela que cria. Tem muito menos de biológico nessa relação, do que da importantíssima capacidade formar laços, vínculos afetivos perenes. Que, como se fosse um bordado, um tricô, uma trama delicada, vai-se fazendo todos os dias. Ou não fazendo. Ou fazendo de um jeito esquisito e sofredor. Talvez por isso, exista uma espera para a criança chegar . O tempo traz sabedoria. E até hoje, conheço três tipos de espera: na gravidez biológica natural, em que se espera 9 meses. As vezes menos. Nas adoções, onde o critério rígido e bem feito, procura atender em primeiro lugar os interesses da criança que veio ou virá ao mundo e , portanto, busca-se a família mais adequada para recebê-la. E nesse processo, ainda é possível determinar algumas coisas como: sexo, cor , idade. Se vai ser recém-nascido ou se a mãe adotante ou o casal adotante pode acolher com amor um bebê de até dois anos, ou uma criança já grandinha. Quanto menor a exigência, menor será a espera. Não por que aquela mãe, ou aquele casal estejam aceitando “qualquer coisa”.Criança não é coisa. Mas por que o nível de exigências demonstra claramente a maturidade ou não, das pessoas, para terem filhos e amá-los do jeito que são. E não rejeitados se não corresponderem totalmente as expectativas que, geralmente são frustradas, mesmo com o filho que vem da barriga . O ideal é alguma coisa que não se alcança, portanto jamais um bebezinho-que quer tanto o seu amor- vai corresponder ao que você sonhou. Por isso que eu disse antes: ser mãe é uma grande e boa experiência. Não é padecer coisa nenhuma. E também não é paraíso. É uma função muito pé no chão. É a hora do vamos ver. De provar da sua competência emocional- se quiser ser mãe, ser pai. Se não quiser, vai provar em outro aspecto, no trabalho, onde for. Para que filhos? Por obrigação? Na Europa isso hoje é tão comum: casais que optam pelo sossego de viverem um para o outro e tudo bem. Aliás, muito bem. Se a relação for boa, bem construída, não precisa de um filho para tapar nenhum buraco- até por que buracos a gente tem desde que nasceu. Jamais serão tapados - e filhos não são feitos para isso. Ah, e tem aquela outra espera: a do casal que decide por aquilo que chamam de “reprodução assistida”. Nome esquisito não é? Invasivo: parece que você está transando com seu marido e tem um pessoal assistindo. E sabe que não está muito longe disso não? Conheço algumas pessoas que tentaram. E desistiram. Não por que o processo seja muito doloroso de viver. Porque é. Mas por que amadureceram na luta. Tenho uma amiga que depois de muito desespero-não tem outro nome para o que ela passou- viu que não queria ser mãe, só ter um filho para agradar o marido, que foi casado antes e teve filhos naquela relação. Hoje, eles se agradam mutuamente , de outras maneiras. São um casal feliz e bem resolvido. E ela continua uma mega executiva. Alguém disse que ser a f.dona é pecado? Outro casal que conheço, optou pela adoção. E já são três crianças, numa família feliz. Depois de desistir da ”reprodução assistida”, esse casal viajou muito, se amou muito, comprou roupinhas de bebês em países diferentes, pensou junto. Fizeram muita ginástica, sexo e yoga- que ainda fazem. Se prepararam para ser pais, de um jeito gostoso. E prepararam, com todo carinho, o ninho para receber seus filhotes. Deixando para trás: agulhadas, exames, hormônios, engordas, auto-estima láaaa embaixo por causa das frustrações. Acusações mútuas . Como se houvessem culpados. Como se fosse importante saber quem está sem condições de gerar um filho biológico. Podem ser até os dois que não podem. Acontece também dos dois poderem, e a gestação não rolar. E DAÍ? Vou contar um segredo. E não é por que sou da área Psi que eu sei não. Foi a vida que me ensinou: quando você quer ser mãe, uma criança entra em seu caminho. E você no caminho dela. É a lei da atração, do amor, da Fisica Quântica, do mistério da vida, do desejo. O seu filho ou filha e você, já estão se aproximando. Ou quando menos esperar, descobre que está grávida. Ou vindo de outra barriga, mas que emocionalmente você vai gestar do mesmo jeito, seu filho ou sua filha, está se encaminhando para você. Olha em volta. E se você quer mesmo, ser mãe de verdade, (e não apenas ter uma boneca ou boneco, para ver ser se é mais bonito ou capaz do que a boneca da sua coleguinha de escola) prepare-se. Nada melhor do que uma mãe suave, acolhedora, boa o bastante. E ao lado dela, um pai bom o bastante. Se o projeto é conjunto ou independente, a criança- esse futuro da humanidade que você vai acolher com seu abraço- merece o melhor. Ela vai ter a cor do teu amor. As dificuldades - tem sempre alguma coisa, conte com isso – quem nunca acordou com uma dor de ouvido no meio da noite, levanta a mão?! Depois passa. Quem nunca procurou uma fono por que deu um atraso no não sei o que da aprendizagem? Fala sério. Quem nunca teve que levar ao dentista ou porque os dentes não caem, ou por que custam a nascer , ou por que ficaram tortos e vai rolar um aparelho? Um óculos, uma psicóloga, um cachorrinho...Ah, vocês sabem. E vocês futuros pais? Bem vindos ao clube pé no chão. Nunca mais sua vida será a mesma. Vai ser muito melhor. Alguém que vai amar vocês profundamente, mamãe e papai, de alguma forma está a caminho. Mas por favor, não sejam tão exigentes com vocês mesmos. Nessa espera, que acontece, reconheçam o que ainda não sabem. Aceitem que há mais do que uma porta de entrada para a sua prole. Aprendam a abrir os braços e a acolher incondicionalmente esse serzinho tão poderoso e cheio de necessidades, que vai chegar, assim que você acionar a engrenagem poderosa do querer. Você quer ser mãe? Você quer ser pai? Então preparem-se bem. E esperem.... Ah...Daqui já dá para ver uma nova família em construção. Parabéns para vocês. Texto publicado no blog Cameliadepedra.blogspot.com em 2012