MARGARITA SOLARI PASCUAL
PORTUGUÊS
TEXTOS
 
TEXTO

ENREDADA
Por que diabo, quando vou me suicidar
lhe ocorre a idéia desse voar charmoso
na frente da minha janela?

Bate as asas olhando para mim
perguntando alguma coisa.
Eu sei o que é.

Mas você é um pássaro, só isso.
Estende um fio de ouro
e fico enredada nele.

Não lhe farei caso
pedacinho de carne com penas
que em um instante se transforma em comida.

Gosto de pensar que estou dentro de um caldeirão
num antigo filme de Tarzan
olhando a cara de desejo dos canibais.
Uma cabeça fervida não faz poemas.



PLENA DE AMORES

Amores passageiros
de umas horas, de uns días.

Amores que não crescem
que não se transformam
que são só amores.

Amores, que quando se vão
vêm outros.

Amores que não ferem
que nos enchem de amor
para outros amores.

Amores eternos amores
em minha solidão estou
plena de amores.



CALARAM AS VOZES

Calaram as vozes
ouviram-se rangidos e gemidos.
Vieram os vôos
o canto ferino dos pássaros.

O homem, a formiga
o homem, os pássaros
o homem não entende
nem de cantos nem de grunhidos.

O homem, o homem
o homem não entende
a linguagem do homem.
O homem está só.