NEUMA PEREIRA
PORTUGUÊS
TEXTOS
 
TEXTO

Gosto de pensar como uma simples forma de buscar entender os porquês.
Gosto do silêncio porque me permite ouvir a voz do coração.
Gosto da natureza porque é uma das formas de expressão de Deus.
Gosto de ler, porque lendo busco ouvir no silêncio a alma dos escritores.
Gosto de escrever. É uma forma de expressão! 

Nossa História Está Escrita

... Nesse momento, a última gota de gelo derretido caiu e se esparramou no chão ganhando diante de meus olhos a dimensão de um oceano, que me sugou instantaneamente fechando-se em seguida, e me conduzindo de forma inexplicável por uma espetacular viagem no tempo.

A viagem no Tempo

Ao chegar a algum lugar no tempo fiquei contemplando o nada e o tudo, como se tivesse perdida no universo, foi então que alguém se aproximou de mim e disse ser o informante designado para me acompanhar na viagem.
Enquanto conversava com ele sobre como eu havia chegado ali, ele me disse que não havia motivos para preocupações porque nossa história já estava escrita, então muito curiosa o interroguei:
___ Se já está escrita, então posso lê-la?
___ Não. Respondeu.
Não aceitando sua resposta como definitiva, insisti que se a história era minha eu tinha o direito de conhecê-la, afinal se não poderia conhecê-la porque teria feito tal viagem?
O informante não quis dar muitas explicações e me conduziu a um passeio pelo bosque da vida, onde me mostrava à distância muitos labirintos, muitas pessoas indo e vindo, alguns pareciam felizes outros nem tanto.
Perguntei por que havia sido convidada a fazer aquela viagem. Ele respondeu:
___ Sua curiosidade e seu desejo por conhecimento a habilitaram ao convite.
___ Quem me convidou?
___ Então tu não sabes? Questionou ele.
___ Não. Disse eu. Apenas vim e nem sei onde estou. Tudo que sei é que estou no tempo.
Ele olhando-me fixamente disse:
___ E porque te preocupas com isto? Saber em que tempo estás não é relevante o que é importante é saber o que fazer com o tempo que tens a teu dispor.
___ Quem me convidou? Não vais me falar?
___ Quem poderia te convidar senão o Senhor do Tempo?
___ Posso vê-lo? Perguntei imediatamente.
___ Você vê o tempo?
___ Não, não o vejo.
___ Se não vês o tempo, então, como poderias ver o Senhor do Tempo? Se o tempo é invisível não te parece óbvio que o seu senhor também o seja?
___ Sim, mas pensei que no tempo o próprio tempo se tornasse visível.
___ O pensar pensa que pode tudo e que tudo pode se materializar aos olhos humanos em algum momento ou lugar, mas algumas coisas serão para sempre invisíveis. Explicou.
___ Compreendi, mas já que fiz esta viagem, gostaria de ir a biblioteca do tempo. É possível?
___ Sim - Disse o informante - Siga-me.
O segui e ao chegar à biblioteca fiquei pasma ante a quantidade de livros, todos feitos de um material indestrutível, escritos com um tipo de escrita não legível no planeta terra, mas lá era legível até por quem não tivesse sido alfabetizado aqui, já que lá todos sabem ler e escrever, é como saber falar e andar.
Já ouvi falar no livro da vida, a bíblia o menciona, então logo pensei que todos aqueles livros seriam os livros da vida das pessoas, mas mesmo assim o questionei:
___ Se todos esses livros são livros da vida das pessoas como alguém pode localizar o seu?
___ Imaginas que todos esses livros são livros de vida de pessoas? Não entendo por que, pois além de pessoas existem outros seres e coisas cujos livros estão todos aqui.
___ Então nessa biblioteca se encontra todo tipo de literatura?
___ Sim, não só da literatura que já foi escrita no seu planeta, mas de todos os outros planetas e também do que ainda será escrito em algum tempo e lugar.
Eu, estando diante daquele universo de conhecimento não poderia sair de lá sem folhear alguns livros, mesmo sabendo que não poderia ler, até porque estava apenas de passagem.
Adentrei a biblioteca cuja organização é lógica e perfeitamente ordenada conforme o visitante, ou seja, todos os livros se alinham diante do visitante como se o tempo o conhecesse e soubesse que tipo de livro quer e qual exatamente pretende acessar ao estender a mão. O critério adotado para tal alinhamento e providência é a vontade de conhecimento que predominar no coração do visitante naquele momento, se reorganizando conforme sua vontade vá mudando.
O informante me observava como se não compreendesse muito bem minha rápida percepção do ambiente e minha alegria ao me integrar ao mesmo como se já fosse conhecido por mim.
Após alguns segundos de silêncio enquanto me sentia em casa, ele se aproxima de mim e pergunta:
___ Você já foi bibliotecária do tempo?
Atônita com a pergunta e sem ao menos saber o que seria bibliotecária do tempo, pois pelo que eu havia percebido a aquela biblioteca não precisava de bibliotecária, respondi:
___ Não sei, mas acho que não, pois que necessidade há de bibliotecária aqui?
O informante resolveu me explicar que a organização da biblioteca e como ela se apresenta a quem nela adentra varia conforme a pessoa, para algumas pessoas, ela se apresenta com bibliotecários para orientar e acompanhar o visitante, auxiliando-o na busca do conhecimento que deseja. Continuando sua explicação disse ele:
___ Mas percebi que ao adentrarmos a biblioteca, ela se organizou e se apresentou a você com o alinhamento que só se apresenta aos bibliotecários do tempo.
Eu o perguntei:
___ Então eu posso ser uma bibliotecária do tempo e não sei?
___ É possível. Respondeu. Muitas pessoas que chegam aqui não sabem exatamente o que são, algumas nem sabem o que buscam apenas buscam.
Perguntei ao informante, como saberia se realmente eu era uma bibliotecária do tempo. Ele então disse não ter permissão para dar a resposta, mas se eu fosse eu descobriria no momento certo.
Logo observei que no alinhamento dos livros que estavam diante de mim, havia um que se destacava e brilhava com um brilho indescritível, então perguntei ao informante:
___ Posso ler qualquer livro que queira?
Respondeu ele:
___ Qualquer livro que queira não, mas qualquer livro que tenha o conhecimento que veio buscar, pois às vezes seus olhos vêem um livro e você o quer, mas o conhecimento que seu coração busca está em outro e pela organização da biblioteca o livro que virá a você será aquele que tem o conteúdo que seu coração busca.
___ O que acontece se o livro que eu quiser for também aquele que tem o conteúdo que meu coração busca?
___ Você será duplamente contemplada, pois terá o que deseja e o que necessita, mas desde já esclareço que raramente isso acontece.
Meus olhos estavam quase arrastando aquele livro para mim, mas resolvi perguntar por que raramente acontecia.
___ Os olhos humanos muitas vezes vêem e querem coisas que não precisam enquanto o coração sempre busca o que necessita e a biblioteca do tempo tem como prioridade suprir as necessidades dos viajantes do tempo. Respondeu o informante.
___ Se eu fosse uma bibliotecária do tempo eu poderia manipular essa organização e trazer a mim sempre o que meus olhos desejassem e que tivesse o conteúdo que necessitasse? Perguntei.
___ Não. Respondeu. Acrescentando que a organização da biblioteca do tempo não pode ser manipulada por ninguém, nem mesmo pelo mais hábil bibliotecário. Só o tempo se organiza no próprio tempo e assim é para que os viajantes não corram o risco de serem induzidos ou conduzidos por caminhos que não sejam os seus próprios.
Enquanto ele respondia, eu contemplava aqueles milhares e milhares de livros com se não tivesse fim diante de meus olhos, os corredores longínquos, estreitos, com prateleiras transparentes e os livros organizados de cima abaixo, um após o outro e via livros até onde a vista alcançava tanto para cima como para os fundos e para as laterais. Todos transparentes quase iguais as prateleiras, como se fossem de material cor de vidro, mas não se via letras, nem se via o conteúdo.
Estendi a mão e esperei que viesse a mim o livro que eu precisasse, mesmo que meus olhos estivessem brilhando por aquele que se destacava e meu coração o desejasse.
Fechei os olhos por alguns milésimos de segundos e senti um livro chegando às minhas mãos. Com um toque suave o senti. Abri os olhos e para minha surpresa e alegria lá estava o livro que eu desejava e que precisava. Fiquei radiante e emocionada, quase não podia me conter de tanta alegria.
O informante pasmo olhou para mim e expressando uma grande alegria dançando e cantarolando disse:
___ Aba, Aba, Aba! Você é uma bibliotecária do tempo! Raramente eu trago aqui uma bibliotecária do tempo, mas você é uma. Aba, aba, aba!
Eu não entendi o motivo de sua alegria, mas isso para mim era duplamente gratificante, pois, por mim mesma eu já estava muito feliz. Não entendi sua expressão aba, aba, aba, achava que tivesse dizendo para eu abrir o livro, como se fosse uma senha, então perguntei:
___ Aba, aba, aba é uma senha?
___ Não, é uma expressão de alegria de um informante quando traz aqui um bibliotecário do tempo e na sua língua quer dizer: Amar Basta Amar.
Sentindo o livro nas mãos como se fosse o mais precioso tesouro da minha vida, perguntei ao informante se teria alguma recomendação antes de abrir e ler.
O informante que antes estava cantarolando, silenciou e disse:
___ O livro que você desejou e tem o conteúdo que você precisa é o mesmo, logo esse livro é o livro de sua vida.
Quando ele disse isso, meu coração se agitou, minha temperatura aumentou e minha mão aquecia o livro, como se tivesse se fundindo nele.
Continuou o informante:
___ Muitos não tem coragem de ler o livro da vida, pois temem o que o futuro lhes reserva no mundo dos humanos. Então a recomendação é a seguinte: antes de abrir você precisa entender que:
1. Qualquer interferência que você deseje fazer no curso de sua história terá conseqüências e mudanças.
2. Se você quiser só poderá mudar o final de sua história, pois o início já está escrito.
3. Sua história é escrita em capítulos e você ao expressar a vontade de abrir o livro ele será aberto no capítulo cujo conteúdo você veio buscar.
Enquanto o observava atentamente minha vontade aumentava e mal ele terminou de falar eu liberei minha vontade para o que o livro da minha vida fosse aberto diante de mim e eu pudesse ler.
Ao abrir-se qual não foi minha surpresa que esperava ver nele letras, linhas e palavras que pudesse ler e ver tudo sobre meu passado, presente e futuro, mas nada vi. Então perguntei para o informante:
___ Onde estão as letras? Como poderei lê-lo se nada vejo? Preciso usar óculos especiais?
O informante, rindo para si mesmo disse:
___ Quão limitados são vocês! Por acaso pensaste que iria encontrar no livro da vida escritas com tintas e letras visíveis aos olhos humanos como se vê no planeta terra?
___ Sim, pensei, mas se não é, como posso ler o livro da minha vida?
___ Olhe o livro e feche os olhos do corpo, pois se te abrirão os olhos da alma e verás como numa nuvem de energia o conteúdo que buscas e relaxe, pois o entendimento do que lês só será possível para aqueles que permitirem a si mesmos o deleite do relaxamento físico e da paz espiritual.
Segui as recomendações do informante e via, com os olhos mentais, nuvens suaves subindo e descendo como se fossem pequenos estandartes com o conteúdo daquele capítulo da minha história.
O capítulo que li naquele momento, foi o capítulo que vivi com você, mas embora tenha lido todo capítulo, não o compreendi completamente. Ao concluir perguntei ao informante:
___ Porque mesmo tendo lido o capítulo inteiro só consigo me lembrar do conteúdo da primeira e da última parte?
___ Porque durante a vivência das demais partes seu coração esteve dividido entre os três tempos: passado, presente e futuro. Nada impede que em outro momento você possa lembrar, mas isso só ocorrerá se tiver alguma utilidade para você.
Ao concluir a leitura o livro fechou-se automaticamente e retornou a prateleira.
Olhei para o informante e como se quisesse fazer mais algumas perguntas ele simplesmente disse:
___ Uma bibliotecária do tempo sempre pode voltar, pois a biblioteca sempre terá o conhecimento que você e que o mundo precisa.
Quando perguntei o que era bibliotecária do tempo e qual a importância de ser uma, ele acenou, fechou a cortina e eu voltei como se tivesse acordado de uma leve soneca. 

Maria Neuma Pereira