CARLA AKA
PORTUGUÊS
TEXTOS
 
TEXTO

LIXO
O dragão, o fogo, o ácido, os milagres.
Espetáculos, especulações.
É guerra, bombas atômicas, vias anatômicas.
Boêmios, malditos, sagrados, sacrifícios
de musas & poetas bêbados,
que mendigam pelas ruas, vestindo velhos trapos,
fedorentos.
Você quer voltar, você não tem volta, nem revolta.
Roucas vozes, sussurram versos, líricos demais,
sem paz, sem rumo, nem assunto.
Morre a última noite.
Mas nada disso importa, nada é importante.
Nem a intensidade das palavras, que me seduzem.
Desvendando caos e delírios, das coisas que falo,
amo & gozo paixões e sonhos descabíveis.
Porque eu vivo em altos & baixos, quartos de hotéis,
lençóis que se lavam, purificam, novos sorrisos,
novas bocas, novos sexos, novas posições, novas
metáforas & alucinações.
E dizem por aí, que eu não presto.
Que pra mim, tudo termina em sexo.
Eu digo que é o começo e quase morro de rir.
Nesse Vale Tudo de inválidos, nada é provável,
tudo é possível.
Mas não me culpe, nem me desculpe,
me ligue, amanhã, quem sabe, depois,
quando o verão acabar, o furacão passar,
o terremoto tremer e nada de tão importante acontecer,
recicle-me.